O bom senso diz que feriado não deve cair no sábado. Uma lástima o calendário afrontar dessa forma as expectativas nacionais. Devo compartilhar com vocês minha angústia de escrever uma parte da coluna de cinema e quase não ter tempo para ver filme nenhum em cartaz. Só que meu sofrimentos mesmo é de perder as mostras que passam aqueles filmes que nunca vou conseguir na locadora e que teria que me descabelar para achar na internet. Cinéfilos e pão-duros de plantão, seguem abaixo algumas boas opções para os próximos dias: mostra baseada no trabalho de Thomaz Farkas sobre a condição brasileira,  panorama turco, clássicos brasileiros e documentários com a imagem do povo. Leia as breves sinopses de cada uma delas. A programação completa está nos links indicados, exceto a da mostra Cineastas e Imagens do povo, que segue abaixo. 


Mostra Thomaz Farkas e a condição brasileira
A homenagem ao fotógrafo e documentarista Thomaz Farkas traz os filmes que compõem sua série A condição brasileira, feitos na década de 1960. São 29 documentários sobre futebol, cangaço, religiosidade e artesanato; sobre os nordestinos em São Paulo, sobre as escolas de samba do Rio. Ao ir ao Instituto Moreira Salles, aproveite para dar uma espiada na exposição As construções de Brasília e aproveitem para ver o que há de bom e ruim na capital que completou esse mês 50 anos. O ingresso para a mostra custa R$ 10,00.
Assista preciosíssimas imagens de Pixiguinha e outros chorões, junto com uma entrevista com Thomaz Farkas sobre esse que é uma dos documentários da mostra

Local:
Instituto Moreira Salles (Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea. Tel.: 3284-7400). Fecha segunda. terça a sexta, das 13h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Preço: R$ 10,00 cinema. Exposições gratuitas.
Ingressos disponíveis também em www.ingresso.com
Programação completa no site: www.ims.com.br

Mostra Pérolas do Cinema Turco
Ganha um prêmio o internauta que souber de cabeça o nome de um diretor turco e a grafia. O maior dele é Yılmaz Güney, do qual são projetados três clássicos em película 35mm na Caixa Cultural. A programação traz ainda o Verão seco, de Metin Erksan , título que conquistou o Urso de Ouro no Festival de Berlim de 1964.
Raras são as oportunidades de assistir filmes desse país nos festivais internacionais. Mais raro ainda é a oportunidade de uma ver uma mostra integralmente dedicada à produção desse berço euroasiático. As exibição custam apenas R$ 4,00 e seguem até 9 de maio.
Local: Caixa Cultural (Avenida Almirante Barroso, 25, Centro. Tel.: 2544-4080. perto do metrô da carioca. http://www.caixacultural.gov.br/caixa-cultural)
Preço: R$ 4,00
Programação completa no site: www.caixacultural.gov.br/caixa-cultural

Mostra Clássicos do Cinema Brasileiro
Para a geração decepcionada com o cinema nacional atual, nada melhor do que descubrir: sim, existe produção nacional boa. Aliás, excelente! Uma fantástica seleção foi feita e cópias restauradas que serão exibidas de 2 a 23 de maio gratuitamente na Cinemateca do Museu de Arte Moderna. Serão  filmes de ficção e documentários – do cinema mudo, a chanchadas, cinema marginal, cinema novo e filmes da retomada – de grandes diretores como Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos, Humberto Mauro, Alberto Cavalcanti, Mário Peixoto, Carlos Reichenbach, Júlio Bressane, Rogério Sganzerla, Roberto Santos, Fernando Meirelles, José Carlos Burle, Paulo César Saraceni, José Padilha, Eduardo Coutinho e Hector Babenco.
Um pedacinho de Rio, Zona Norte, de Nelson Pereira do Santos. Nesse trecho, o super divertido Grande Otelo canta com Angela Maria. Que cena!

“Mais um malandro fechou o paletó
Eu tive dó, eu tive dó
Quatro velas acesas em cima de uma mesa”
Local:
Museu de Arte Moderna (Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro. Tel.: 2240-4944)
Preço: Grátis
Programação completa no site: http://www.mamrio.org.br/

Mostra Cineastas e Imagens do Povo
O crítico de cinema Jean-Claude Bernadet é homeageado na mostra baseada em seu livro homônimo, que faz um panorama do documentário brasileiro moderno. Depois do “É tudo Verdade”, mais uma oportunidade imperdível para ver questões nacionais na telona, que trazem discussões super interessante tanto para sétima arte, quanto para o nosso cotidiano. Para assistir, basta comprar o cinepasse do Centro Cultural Banco do Brasil, que custa R$ 10,00 e vale por 30 dias. Além das exibições, haverá também debates com os realizadores e especialistas acadêmicos.
Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Tel.: 3808-2020 www.bb.com.br/cultura)
Preço: R$ 10,00 (Cinepasse válido por 30 dias)
Programação: leia abaixo.

Sábado, 1º de maio
16:00 – PGM 14 – Diálogo com Operários – Peões (Eduardo Coutinho, 2004, DVD, cor, 85 min, Livre)
18:00 – PGM 8 – Operários 3 – Linha de montagem (Renato Tapajós, 1981, 16mm, cor, 90 min, livre)
19:30 – Debate

Domingo, 2 de maio
16:00 –  PGM 20 – Novas imagens do povo 2 – Aboio (Marília Rocha, 2005, 35mm, cor, 73 min, Livre)
18:00 – PGM 06 – Operários 1 – Chapeleiros (Adrian Cooper, 1983, 16mm, cor, 24 min, livre), Greve (João Batista de Andrade, 1979, 35mm, cor, 37 min, livre), Os queixadas (Rogério Corrêa, 1978, 16mm, cor, 30 min, livre)
20:00 – PGM 18 – Diálogo com a ficção – O homem que virou suco (João Batista de Andrade, 1979, 35mm, cor, 97 min, 16 anos)

Terça, 4 de maio
15:00 – curso – aula 3 – em busca da voz do documentarista (Mariana Baltar)
17:30 – PGM 3 – Em busca da voz do documentarista – Liberdade de imprensa (João Batista de Andrade, 1967, 16mm, p&b, 24 min, livre), Migrantes (João Batista de Andrade, 1972, 16mm, p&b, 7 min, livre), Congo (Arthur Omar, 1972, 35mm, p&b, 11 min, livre), Lavra-Dor (Paulo Rufino, 1968, 16mm, p&b, 11 min, livre)
19:30 – PGM 11 –  A entrevista – À margem da imagem (Evaldo Mocarzel, 2002, 35mm, cor, 72 min, livre), Casa de cachorro (Thiago Villas Boas, 2001, MiniDV, cor, 26 min, livre)

Quarta, 5 de maio
15:00 – curso – aula 6 – operários (Simplício Neto)
17:50 – PGM 7 – Operários 2 –  O Porto de Santos, (Aloysio Raulino, 1979, 35mm, p&b, 19 min, livre), Braços cruzados, máquinas paradas (Sérgio Toledo Segall e Roberto Gervitz, 1979, 16mm, p&b, 76 min, livre)
19:30 – PGM 8 – Operários 3 – Linha de montagem (Renato Tapajós, 1981, 16mm, cor, 90 min, livre)

Quinta, 6 de maio
15:00 – curso – aula 4 – vertentes outras (Luiz Alberto Rocha Melo)
17:30 – PGM 4 – Vertentes outras – Cultura & loucura (Antônio Manuel, 1973, 35mm, p&b, 9 min, livre), Brasília segundo Feldman (Vladimir Carvalho, 1979, 35mm, cor, 21 min, livre), Aruanda (Linduarte Noronha, 1960, 35mm, p&b, 21 min, livre), A pedra da riqueza: ou a peleja do sertanejo para desencantar a pedra que foi parar na lua com a nave dos astronautas (Vladimir Carvalho, 1976, 35mm, p&b, 15 min, livre)
19:30 – PGM 17 – Diálogo com Bernardet – Iracema – Uma transa amazônica (Jorge Bodanzky e Orlando Senna, 1974, 35mm, cor, 90min, 18 anos)

Sexta, 7 de maio
15:00 – curso – aula 5 – o segredo da voz do outro ( é um segredo?) (Cezar Migliorin)
17:30 – PGM 5 – O segredo da voz do outro –  Tarumã (Mario Kuperman, 1975, 16mm, cor, 13 min, livre), Jardim nova Bahia (Aloysio Raulino, 1971, 35mm, p&b/cor, 15 min, livre), Gilda (Augusto Sevá, 1977, 35mm, cor, 13 min, livre),  Mito e metamorfose das mães nagô (Artes sacras negras II) (Juana Elbein dos Santos , 1979, 16mm, livre)
19:30 – PGM 12 – Diálogo com “O segredo da voz do outro” – Prisioneiro da Grade de Ferro (Paulo Sacramento, 2004, 35mm, cor, 123 min, 16 anos)

Sábado, 8 de maio
16:00 – PGM 10 – Filmar a história 2 –  Os anos JK, uma trajetória política (Sílvio Tendler, 1980, 35mm, cor, 109 min, livre)
18:00 – PGM 15 – Diálogo com “Filmar a história” – São Paulo Sinfonia e Cacofonia (Jean-Claude Bernardet, 1994, 35mm, cor, 29 min, 14 anos), Isto é Noel Rosa (Rogério Sganzerla, 1991, betacam, cor/p&b, 42 min, sem classificação indicativa)
20:00 – PGM 7 – Operários 2 – O Porto de Santos (Aloysio Raulino, 1979, 35mm, p&b, 19 min, livre), Braços cruzados, máquinas paradas (Sérgio Toledo Segall e Roberto Gervitz, 1979, 16mm, p&b, 76 min, livre)

Domingo, 9 de maio
16:00 – PGM 1 – A voz do dono – Subterrâneos do futebol (Maurice Capovilla, 1965-65, 16mm, p&b, 30 min, livre), Maioria absoluta (Leon Hirszman, 1964, 35mm, p&b, 18 min, 14 anos), Passe Livre (Oswaldo Caldeira, 1974, 16mm, cor, 75 min, livre)
18:00 – PGM 2 – O espelho perturba o método – A opinião pública (Arnaldo Jabor, 1967, 35mm, p&b, 78 min, 14 anos)
20:00 – PGM 5 –  O segredo da voz do outro –  Tarumã (Mario Kuperman, 1975, 16mm, cor, 13 min, livre), Jardim nova Bahia (Aloysio Raulino, 1971, 35mm, p&b/cor, 15 min, livre), Gilda (Augusto Sevá, 1977, 35mm, cor, 13 min, livre), Mito e metamorfose das mães nagô (Artes sacras negras II) (Juana Elbein dos Santos , 1979, 16mm, livre)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s